foder por gosto não cansa

Sunday, July 17, 2005

Allah é grande, e é bom na cama

Dizem que os pretos têm caralhos grandes. Enganam-se. Eles na verdade têm-nos mais ou menos.
Grandes grandes são os caralhos árabes, ao pé dos quais os senhores negros ficam com ar de quem tem na verdade uma borbulha entre os colhoes.

Nesta tarde de verão suado e quente, Mohammed Ben Ashbiah e eu mandámos uma virados para Meca. O potente mujahidin arrancou a sua djellaba, e rebentou com a minha fossa conal. Amarrou-me à cama com a sua burka, e fez do meu cu o túnel da Mancha. Várias vezes. Quando se vinha, exclamava um profundo “Inch Allah!” (não muito original, mas sem duvida melhor do que “Maria, quero cachoupa!”)…

Agora com os atentados de Londres, que se seguiram aos de Madrid e Nova Iorque, o povo muculmano tornou-se por toda a parte desdenhado e desprezado, até em termos de foda.
Podem ser assassinos sanguinários, e perversos fanáticos sem escrupulos, mas nível étnico, os talibans têm as maiores pilas.
Não são os pretos. Já é tempo de por termo a isto. Chegou a altura de acabar definitivamente com esse boato, que dá azo a uma discriminação racial escandalosa e injusta. O Mundo não pode permanecer na escuridão: sinto que é o meu dever espalhar a mensagem.

Vivam os ramalahs. Pois eles são os verdadeiros homens-bomba.

Wednesday, July 13, 2005

Sexo com animais

Para aqueles que se perguntam o que é que aconteceu à Fodilhona, e porque é que aquela porca mal parida (eu) nunca mais escreveu. Eu respondo: não escrevi estes dias todos porque estava a foder o meu cão.
A foder o cão? Dizem vocês escandalizados. Mas Fodilhona, isso é demais. Acabaste de atingir o limite do decadente, e do nojento.
Não seus idiotas.

Vocês, seus masturbadores sanguinários, seus ratos da rata da mãe, é que não sabem que eu sei melhor o que é correcto para as vossas vidas. Eu estou com vocês, e quero o vosso bem: Têm que perceber como ocupar o vosso tempo, agora que as ferias de verão se aproximam a fodas largas.
Deixem as punhetas solitárias, e/ou os vibradores de cores variadas. Virem-se para o que de mais precioso a mãe natureza nos dá. É preciso estar de harmonia com a mãe natureza porque Ela nos criou e Ela nos deu vida. Ela trouxe ao mundo todas essas pequenas criaturas (entre as quais conta o cão) que nos rodeiam, e porquê? Para nós as fodermos.
Foder animais é uma Arte, que demonstra uma maior sensibilidade sensitiva e elevação espiritual da parte de quem a pratica.

As vantagens de fazer sexo à bruta com animais é que os bichos são muito mais resistentes no sexo. E não falam, o que é bom.
Se abusarmos, eles não se queixam. Podemos rebentar com aquilo tudo, e obrigá-los a lamber cada centímetro do nosso corpo com a sua língua áspera e acida de cão, que eles voltam sempre a saltitar e a arfar.
A sua pequena cauda abana feliz de um lado para o outro, como quem diz “quero mais, quero mais”, “wouf, wouf!”. Porque ao fim e ao cabo toda a gente sabe: que não se morde a cona que nos alimenta.

Sunday, July 03, 2005

O Rabinho dos Bosques

Muitas pessoas me perguntam se eu sou contra o apanhar no rabo. Muitas pessoas, mais precisamente os gajos que fodo. A todos respondo da mesma maneira: não sou, alias, ate acho que levar no cu contribui amplamente para a formação do nosso carácter, de múltiplas e diversas maneiras.
Primeiro, apanhar no rego é bom, na medida em que não olhamos para a cara do nosso parceiro. Isto é bom se ele tiver uma fronha terrível mas uma pila grande.
Para mais, contribui para o bom desenvolvimento da nossa personalidade, pois nos permite exercitar a nossa imaginação: enquanto estamos a levar com o nabo podemos imaginar que quem nos está a comer é alguém de jeito, e não aquele pedinte que apanhamos na rua e levamos para casa porque nesse dia mais ninguém nos ligava, e precisávamos urgentemente de uma foda.
Finalmente, a canzana é saudável na medida em que nos permite explorar novos orifícios do nosso corpo, mais precisamente o ânus, alargando-o. O que faculta uma maior circulação do ar no nosso organismo e a consequente purificação que dai advém. Lembrem-se: quanto maior o pénis, maior é a purificação.

Tuesday, June 28, 2005

Contestação

No outro dia um amigo meu vira-se para a minha pessoa e diz: “Ó fodilhona, o teu blog é uma merda”.
“Porquê?”, perguntei eu.
“Olha, porque a única coisa que tu sabes fazer, é pegar num assunto qualquer e relaciona-lo com sexo. Isso também eu.”. Disse-me ele, ao mesmo tempo que me comia por detrás.

Ora, é mentira. Este meu amigo, para além de ser uma péssima foda, não percebe nada do que eu faço neste blog. Nenhuma das criticas que ele me fez, são plausíveis:

Primeiro , porque tudo tem, de facto, a ver com sexo. A Vida inteira é, ela própria, baseada nas quecas que uma gaja dá. Consequentemente, se eu pegar num assunto, é claro que ele vai ter a haver com sexo, a culpa não é minha. Querem um exemplo? Por exemplo:
“Os rituais de emigração das formigas encarnadas das planícies do Nepal”:
Tem a ver com sexo, na medida em que eu uma vez levei um daqueles gajos que vendem flores nos restaurantes para casa, que era Nepalês, e lhe mandei uma grandessíssima pincalhada. Não percebia nada do que ele dizia, porque era Nepalês e a única coisa que sabia dizer em Português era “cinquenta escudo”, mas isso não foi um obstáculo relevante. Porque ele sabia lamber conas que era uma delicia, e ainda fazia coisas giras com as flores.
Quanto às formigas, uma vez estava muito bem a exercitar a posição de missionário em pleno campo, quando no final sinto umas picadas diabólicas na ratinha. Fui a ver, era a puta das formigas. Aprendi a nunca mais foder no campo, ou se sim, ficar sempre em cima para as formigas irem pelo cu do gajo e não me lixarem a mim. Como vêem, as formigas também têm a ver com sexo.

Segundo, porque, apesar disso, eu não preciso de relacionar o sexo com nada. O sexo vale por si. Foder é tão bom que, quando estou a mandar uma, não estou a pensar em mais merda nenhuma. E há varias maneiras de foder. Foder em pé, foder à cãozinho, foder à alpinista, enfim… o mundo inteiro é uma foda, à espera de ser descoberta.

Sunday, June 26, 2005

Kumba Yala precisa de sexo

Depois de se auto-proclamar presidente da Guiné-Bissau, Kumba Yala não reconhece os resultados das eleições naquele país, e recusa-se a admitir que foi derrotado nestas ultimas. Ora, do que o Kumba Yala precisa é de sexo.
As pessoas carenciadas, ou seja, que não molham suficientes vezes o biscoito, tentam muitas vezes compensar essa carência de outra forma qualquer. Batendo à punheta, indo às putas, ou tentando dominar o mundo. É o que acontece com os grandes ditadores. Hitler, por exemplo, era monocolhão.
É também o que está a acontecer também com Kumba.

Por isso, para que a catástrofe pare, temos que ajudar este nosso amigo a mandar uma foda.
Eu até acho que o caso de Kumba ainda tem remédio. Até porque como ele é preto, deve ter aquela gigante pila com que eu e todas as mulheres no mundo sonhamos.
Mas primeiro, para arranjar conas que o queiram, o gajo tem mesmo que se ver livre daquela boina nojenta encarnada.

Saturday, June 25, 2005

O sentido da vida

Muitas vezes me perguntam as pessoas: Ó fodilhona, mas tu só pensas em foder? Não achas que existem outras coisas muito bonitas, para além disso, na vida?
Não, não acho. Alias, segundo a minha concepção pessoal, toda a lógica do Universo está assente no acto de foder.
Senão vejamos: como é que começou o mundo? Porque o Adão e a Eva foderam.
E agora dizem vocês: não, não, o mundo começou com aquela cena do paraíso e não sei quê, da cobra. Que convenceu a Eva a dar a maça ao Adão. Mas eu respondo: tretas. Então vocês nunca leram Freud? Não percebem que a cobra não é mais do que um símbolo fálico que representa o pénis do homem? Exactamente isso que vocês estão a pensar: o principio da existência humana deu-se graças a uma pila.
Uma pila que falou com a Eva, e que a convenceu de que sexo era bom, e de que ela o devia praticar com o primeiro gajo que lhe aparecesse à frente. Neste caso, Adão.
A maça não era mais do que um objecto que simbolizava, ele próprio, o acto de foder. E o Adão gostou da maçã, ou seja, de foder. Tanto gostou que ficou com aquela merda encalhada nas trombas para toda a eternidade.

“E a Maria, mãe de Jesus? Essa conseguiu dar à luz sem foder!” dizem vocês. Sim, mas isso só aconteceu, acho eu, porque José era impotente.

Então, mas e Deus no meio de isto tudo? Afinal, Deus conseguiu criar a Vida, sem foder.
Mas Deus era paneleiro. Afinal, só alguém muito maricas é que teria paciência para fazer aquelas figurinhas de barro e não sei quê, e depois pô-las todas num Jardim.

O Tiago Dores não tem piada, mas até lhe mandava uma foda.

Agora que os Gato Fedorento são patrocinados pela Trident e pela Yop, e que por conseguinte cada episodio da série Barbosa se transformou numa amalgama deplorável de sketches publicitários; para tentar animar as coisas, é preciso ver o quadro pela sua perpectiva sexual. É este o meu lema de vida: quando uma coisa começa a ser uma seca, masturbo-me à frente dela; fica logo mais gira.
Com efeito, não vale a pena sentarmo-nos à frente da televisão, a chorar o fim daquele que foi o único momento alto da cultura portuguesa do humor da nossa década. Em vez disso, e para por de parte esse quadro mórbido, para sobreviver temos que nos entreter a pensar em qual dos elementos dos Gato Fedorento é que mandávamos uma trancalhonada.
Digo mandávamos, quero dizer: mandava. O que me interessa para aqui é o que eu penso, e vocês que se fodam.

Eu penso que o Miguel Góis, embora tenha um ar sinistro e sórdido de quem bate nas gajas na cama (o que, como já outrora referi, me excita imensamente), tem por outro ar demasiado ar de filosofo niilista revoltado contra a vida e contra os costumes da sociedade contemporânea. O que, em ultima analise e segundo a minha experiência, quer dizer que tem a pila pequena.
Ricardo Araújo Pereira tem 2,50 metros de altura. O que, correndo o risco de me repetir, quer dizer que tem a pila pequena.
Zé Diogo Quintela é gordo e usa óculos. Vamos lá ver, ou gordo ou de óculos. Mas as duas coisas é que não.
Finalmente, o Tiago Dores. O Tiago dores é bom nas horas, possui um cu do camandro, e tem mesmo ar de ser bom na cama; mas em compensação é o único dos elementos do grupo que não tem a mínima piada. Não faz mal. Para o que eu o quero, ele não precisa de falar. Alias, se ele começar a insistir muito eu até o posso amordaçar e amarrar-lhe as mãos. Assim posso aproveitar-me dele à vontade, e não tenho que gramar com as suas graçolas.

Gato fedorento, Gato Fedorento, com que é que eles te andam a alimentar?
Gato Fedorento, Gato Fedorento, será que a culpa afinal é tua?

Friday, June 24, 2005

Sexo na terceira idade

Há quem diga que o sexo na terceira idade é mauzinho. Que é só peles, por todo o lado, que não tem graça nenhuma. Que os velhos nem sequer conseguem levantar o dito.
É mentira.
Quem diz isso, diz porque não sabe foder.

Foder é uma arte, foder está na mente, foder é a essência de todas as coisas. É preciso saber fazê-lo, e mais, é preciso saber fazê-lo com engenho. Experimentá-lo em todas as formas, e depois dar-lhe um toque de requinte. Levá-lo a todas as versões, e alimentá-lo como o fruto da nossa criação.
Saber foder velhos, então, é o ex libris sublime de toda a essência, na arte de bem foder.

É preciso pegar devagarinho, mexer com cuidado. Saber distinguir o que é ruga, do que não é. Os velhinhos têm a sabedoria de um homem de oitenta, e a vontade de um garoto de 16.
Depois de aprender a manejá-lo, o corpo de um senhor de idade pode ser usado como plasticina, nas asas da nossa criação. Apenas alguns exemplos aleatórios:
-A baba, é um óptimo lubrificante.
-Foder com Parkinson, é melhor do que em cima de uma maquina de lavar
-Ás vezes, quando ele estiver cansado, a placa é um bom substituto de um vibrador, devido à sua forma versátil econsistência maleável